Relação entre obesidade e infertilidade masculina

A infertilidade masculina apresenta-se em franco crescimento no mundo e a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que aproximadamente 80 milhões de pessoas apresentem problemas relacionados à infertilidade. Atualmente a infertilidade atinge um em cada seis casais em idade reprodutiva e que em 40% dos casais que não conseguem engravidar, o homem é o único responsável pela causa da infertilidade.

Atualmente, tem aumentado o numero de trabalhos que relacionam a obesidade e infertilidade masculina, fazendo relação maléfica do ganho progressivo de peso, associado diretamente à deterioração da qualidade e quantidade dos espermatozóides no ejaculado.

Os obesos apresentam em média uma redução da concentração de espermatozóide no sêmen, além de déficit no grau de motilidade espermática, o que culmina com menores chances de se obter a tão desejada gravidez natural.

Em importante estudo de Jensen, desde 2004, é sabido que homens com IMC( índice de massa corporal) superior a 30 apresentam concentração seminal média bastante inferior ao grupo com IMC inferior a 20. Além disso, elevados índices de fragmentação de DNA tem sido associados ao aumento na taxa de abortos, baixas taxas de fertilidade e também a redução da qualidade seminal, e já se sabe que a obesidade está diretamente relacionada ao aumento desse índice de fragmentação.

A mensagem a ser deixada visa aos casais que buscam engravidar e estão fora do IMC é que repensem o momento da gravidez, que busquem melhorar sua própria qualidade de vida e saúde, antes de almejar a tão sonhada gravidez.

REFERÊNCIA: ABESO. Evidências em Obesidade e Síndrome Metabólica n81 maio/junho 2016.